Weby shortcut
topo do site
Youtubeplay

X Semana de História - Apresentação

 Início  Projetos de Extensão  >  Semana de História  X Semana de História


 

 

X SEMANA DE HISTÓRIA

 

A Faculdade de História realizou este ano a sua X Semana de História. Esse evento marca a consolidação de uma experiência impar uma vez que envolve sobremaneira a participação proativa do seu corpo discente. Esse tem sido o diferencial desses encontros, um espaço acadêmico/laboratório que possibilita aos alunos, em sua pratica acadêmica, a organização do Congresso com um todo, seu planejamento, execução e efetiva participação com apresentação dos resultados das pesquisas desenvolvidas durante sua formação tanto nos cursos de graduação quanto de pós-graduação.

A X Semana de História teve como tema inspirador, a Semana de Arte Moderna realizada entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, e que tinha como principal proposta encerrar com o academicismo nas artes. O ano comemorava o primeiro centenário da Independência, e os jovens modernistas se propunham a “redescobrir o Brasil”, ou seja, renovarem o caráter artístico do país. Dentre seus diversos expoentes encontramos Tarsila do Amaral, que marcou a primeira fase do modernismo brasileiro. Seu quadro “Abaporu”, de 1928, foi responsável por ilustrar o movimento antropofágico – que consistia em deglutir a cultura estrangeira e adaptá-la à realidade nacional. Esta mesma obra, mesmo vários anos depois, inspirou outros artistas brasileiros. É o caso de Romero Britto e sua obra “Abaperu”, de 2006, que representa uma releitura de Tarsila. Romero Britto se destacou com seu jeito único de produzir arte. Suas formas e cores almejam passar otimismo e uma sensação de aconchego que fizeram do artista um ícone da cultura pop moderna. Não foi por acaso a escolha destas obras para ilustrarem o evento. Tarsila, e todo o movimento da Semana de Arte Moderna, nos fazem acreditar nas fortes características da cultura artística nacional que, assim como fez Romero, disponibilizam o que acreditamos ser o trabalho do historiador: uma eterna releitura (seja esta de um fato, de um documento, de um autor, etc.). O presente Congresso ultrapassou todas as expectativas dos seus organizadores, tanto pela qualidade dos trabalhos, quanto pela abrangência dos temas tratados e, repercussão junto à comunidade de historiadores. São cerca de 200 inscrições para comunicações, 39 Sessões Coordenadas, 7 mini-cursos, com participantes externos de diversas Instituições de Ensino Superior como: UFSC, UFOP, UFPR, UFU, UFT, UFJF, UEG, IFG e PUC-Go.

Assim, em nome da Faculdade de História, agradecemos a todos os participantes e desejamos que o Congresso tenha possibilitado o enriquecimento acadêmico por meio da troca de conhecimentos e experiências entre seus partícipes.

 

Prof. Dr. Leandro Mendes Rocha

Faculdade de História da Universidade Federal de Goiás - UFG

 

 

 

 

Listar Todas Voltar